Smart Energy: Entenda o que é e como é aplicada em Sistemas Fotovoltaicos | SolarEdge | Líder Mundial em Smart Energy
Close mobile menu

Smart Energy: Entenda o que é e como é aplicada em Sistemas Fotovoltaicos

Todos os artigos

Rafael Peres

Suporte Técnico Tier 1

January 17, 2021 Comentários ()
facebook icontwitter iconlinkedin icon
Todos os artigos

Smart Energy: Entenda o que é e como é aplicada em Sistemas Fotovoltaicos

Você já ouviu falar em smart energy?

O conceito de Smart Energy abrange toda tecnologia que permita a geração de energia pelo próprio consumidor a partir de uma fonte renovável, com controle e gerenciamento de geração e do consumo. 
Smart Energy é um conceito de energia inteligente, com a participação ativa dos consumidores, integrando a geração, consumo e armazenamento de energia. 
Um sistema fotovoltaico integrado com tecnologias de automação permite que o consumidor gerencie de forma ativa a geração de energia e seu consumo. 
Com isso, fica mais fácil adotar um perfil de consumo sustentável, economizando energia e minimizando os impactos ambientais utilizando os princípios de Smart Energy.


Gerenciamento de Geração e Consumo

Em um sistema fotovoltaico com Smart Energy, o gerenciamento é fundamental. Dispositivos que permitam a correta leitura do que está sendo gerado e o que está sendo consumido devem ser integrados de modo que seja possível interpretar os dados por eles coletados para serem utilizados de maneira inteligente.

Gerenciamento de Geração e Consumo

 

Vamos analisar o monitoramento de um sistema residencial SolarEdge de 3.3 kWp de potência. Com apenas este simples gráfico, já é possível por exemplo entender as tendências de consumo desta unidade. 

Além de ter o controle sobre o consumo, é importante fazer a relação com os horários aproximados de uso de energia. Podemos observar que pela manhã o consumo é menor se comparado com a noite e existem breves picos de consumo. 

É possível interpretar que até próximo as 13:00 o consumo é mais baixo pois a maioria das pessoas estão fora de casa neste momento. Por outro lado, quando os moradores estão ao mesmo tempo na residência, o consumo aumenta, pois o número de dispositivos ligados a esta unidade consumidora também aumenta (computadores, ventiladores, etc.).

Os picos de geração podem ser interpretados como o tempo de consumo do chuveiro.

Todas as cargas que possam ser utilizadas durante a geração de seu sistema fotovoltaico e que não ultrapassem a potência instantânea naquele momento podem ser aproveitadas como um método de otimização de eficiência de consumo. Por exemplo, deixar de utilizar uma máquina de lavar em horários de baixa ou nenhuma geração e se programar para utilizá-la durante os momentos em que há energia disponível de sua fonte renovável já é uma aplicação de Smart Energy. 

Ou seja, a partir do momento que existe o mínimo de gerenciamento e análise, já é possível realizar o controle e se ajustar para otimizar o uso da energia.

 

Controle e Automatização

O controle em um sistema fotovoltaico é possível utilizando periféricos que permitem a coleta de dados de gerenciamento e a realização de automação para programar de maneira inteligente o uso da energia gerada. no caso da SolarEdge por exemplo existe a linha de produtos Smart Home.

Controle e Automatização

 

Como exemplo, podemos utilizar que após estudo do gerenciamento dos dados de uma clínica médica, foi verificado que o ar-condicionado de uma sala de espera permanece ligado mesmo quando não há incidência de sol o suficiente e que em certos dias os funcionários esqueciam o mesmo ligado após o fim do expediente. 

Com a automação é possível criar cenários em como as cargas devem ser utilizadas conforme o que ali for necessário, como na imagem acima, o Ar-Condicionado 2 é automaticamente ligado dentro do período de expediente e somente quando há excedente de energia solar, fora dessas condições ele permanece desligado ou demanda o seu ligamento manual.

Apesar dos exemplos aqui citados serem referentes a uma residência, os sistemas comerciais também podem e devem usufruir de tecnologias Smart Energy. Com o controle automatizado de suas cargas e um gerenciamento completo, o conceito de Smart Energy proporciona eficiência energética, redução de custos e contribui para um mundo sustentável. 

Quer saber mais, confira nosso webinário sobre as soluções Smart Energy que a SolarEdge oferece. Clique aqui para acessar.

 

Adicionar novo comentário

This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.

Comments

Artigos semelhantes

A diferença entre a solução SolarEdge e outras topologias de inversores solares
Natália Müller Leite | July 21, 2020
O sistema fotovoltaico é composto por módulos que produzem energia em corrente contínua e o inversor solar, que faz a conversão da corrente contínua em corrente alternada, que é injetada na rede da concessionária.  Além de fazer a transformação da energia gerada em CC para CA, e a conexão com a rede, o inversor também tem a propriedade de otimizar a geração de energia pelo sistema fotovoltaico.  Os painéis fotovoltaicos possuem uma potência individual, que reflete a sua capacidade de geração de energia. Dependendo das propriedades elétricas de cada módulo e das condições ambientais como irradiância e temperatura, os módulos apresentarão um perfil de desempenho diferente. Essa diferença é chamada de “mismatch”. Os inversores atuais possuem mecanismos para otimizar esse desempenho, buscando fazer com que o sistema produza o máximo de energia possível. Porém, existem diferenças entre os tipos de inversores e a forma como eles lidam com o mismatch.   Inversor string tradicional O inversor string tradicional ainda é utilizado na grande maioria dos sistemas fotovoltaicos. Com esse tipo de inversor, os painéis são conectados em série, como elos de uma corrente. O design tradicional requer que todas as strings tenham o mesmo comprimento, utilizem o mesmo tipo de painéis e que todos estejam posicionados no mesmo ângulo em direção ao sol. Na prática, isso limita o projeto do sistema fotovoltaico, pois resulta em restrições de instalação, desperdício de espaço do telhado, e uso desnecessário de componentes do sistema. Além disso, como vimos, cada painel tem um perfil de desempenho diferente, em função de variações durante o processo de fabricação, de parâmetros de instalação e padrões de sombreamento. Os inversores tradicionais fazem a otimização da performance de geração de energia de toda a string, e não apenas por módulo. E mais, o mecanismo de otimização dos inversores convencionais faz o nivelamento da geração da string de acordo com o módulo mais fraco da cadeia. Com isso, a produção de energia do sistema como um todo é prejudicada. Os cabos CC que conectam os painéis na string carregam alta tensão enquanto o sol está brilhando. O inversor tradicional não desliga a tensão dos painéis e, consequentemente, isso representa sérios riscos para instaladores e bombeiros. O sistema tradicional não consegue rastrear a saída de energia, a temperatura ou qualquer outro parâmetro de um único painel. Isso faz com que seja impossível identificar falhas ou problemas em nível modular remotamente.   Microinversores O microinversor utiliza toda a tecnologia e funcionalidade do inversor tradicional e a divide em escalas menores para atender a um único painel ou a poucos painéis. Permite que cada painel gere o seu máximo de energia sem afetar os demais. Controlando cada painel individualmente, os microinversores são capazes de resolver alguns dos problemas dos inversores tradicionais.  Porém, essa topologia possui algumas desvantagens. Como requer que cada painel tenha seu próprio microinversor com as funcionalidades de um inversor completo, a instalação demanda múltiplos circuitos de corrente alternada para conectar múltiplos inversores à rede elétrica, ao invés de um único circuito. Isso acarreta mais custos com equipamento e uma instalação mais cara e complexa.  Além disso, caso seja necessário realizar alguma manutenção ou atualização de software, isso deverá ser feito múltiplas vezes pois existem múltiplos inversores.   Solução SolarEdge A SolarEdge desenvolveu sua solução buscando atingir 3 objetivos: otimizar a geração de energia de cada painel, utilizar os mesmos métodos de instalação dos inversores tradicionais e ter um custo competitivo, combinando o melhor dos dois mundos. Assim surgiu o Inversor de CC fixa com os otimizadores de potência. Dividimos a funcionalidade do inversor de string tradicional em 2: otimizador de potência e o inversor simplificado. Os otimizadores são fixados sob os painéis, permitindo o rastreamento individual de cada módulo e ajustes em tempo real da corrente e tensão para o ponto de potência máxima de cada painel. Por outro lado, o inversor simplificado é instalado de maneira semelhante ao inversor de string tradicional. Porém, é responsável apenas pela conversão de CC para CA e conexão com a rede. Dessa forma, a instalação de um sistema SolarEdge é simples e econômica, pois utiliza-se os mesmos cabos, conectores e métodos que já são utilizados em sistemas tradicionais. Além disso, o inversor SolarEdge permite uma grande flexibilidade ao projeto do sistema fotovoltaico. Isso porque o inversor SolarEdge permite a instalação de mais painéis, a combinação de strings maiores com strings menores, e a instalação de painéis em águas diferentes dos telhados, com diferentes inclinações. A plataforma de monitoramento em nuvem da Solaredge oferece dados completos sobre os painéis, strings, inversores e sistema. Isso permite a detecção imediata de falhas, alertas em tempo real e análise compreensiva, o que reduz os custos de Operação e Manutenção (O&M), pois torna possível identificar e solucionar problemas à distância. A plataforma é acessível de qualquer celular, computador ou tablet. Além disso, incorporamos mecanismos de segurança nos painéis com o objetivo de proteger os instaladores, eletricistas e bombeiros. Sempre que a CA for desligada, a alta tensão CC é automaticamente reduzida para uma tensão elétrica segura. Isso vai ao encontro das normas de novas regulamentações de segurança em todos os principais mercados fotovoltaicos pelo mundo. O que você achou das diferenças entre os tipos de inversores disponíveis no mercado? Para saber mais, inscreva-se na nossa newsletter e fique por dentro de todas as notícias e atualizações sobre a tecnologia SolarEdge.   Sobre a SolarEdge A SolarEdge é líder mundial em tecnologia smart energy. Desenvolvendo habilidades de engenharia excepcionais e com um incansável foco em inovação, a SolarEdge desenvolve soluções smart energy que empoderam as nossas vidas e impulsionam o progresso. A SolarEdge desenvolveu uma solução do inversor inteligente que mudou a forma como a energia é captada e gerenciada nos sistemas fotovoltaicos (FV). O inversor CC otimizada SolarEdge maximiza a geração de energia enquanto reduz o custo da energia produzida pelo sistema fotovoltaico.  Continuando a avançar na área smart energy, a SolarEdge atende a uma ampla gama de segmentos do mercado de energia através do seu FV, armazenagem, carregador VE, baterias, UPS, trens de força para VE, e soluções para serviços de rede. 
Leia mais
Aproveitando seu sistema fotovoltaico ao máximo: guia rápido para calcular OPEX
Natália Müller Leite | July 21, 2020
Em um sistema fotovoltaico, considera-se OPEX (Operational Expenditure, ou Despesas Operacionais) os custos após a instalação e comissionamento do sistema, que comumente estão atrelados aos serviços de pós-vendas. Mas você sabe o que levar em consideração para fazer o cálculo do OPEX da sua empresa? Neste artigo, vamos mostrar alguns pontos importantes para calcular quanto a sua empresa gasta com a manutenção e operação de sistemas fotovoltaicos. Veja alguns passos importantes para calcular seu OPEX Oferecer um serviço de pós-vendas dedicado aos clientes pode ser um diferencial importante para as empresas que atuam com integração de sistemas fotovoltaicos. Esse serviço auxilia a conversão em vendas, porque transmite autoridade e confiabilidade para o cliente. Porém, é importante avaliar o custo atrelado à manutenção e operação (OPEX) do sistema fotovoltaico. E à medida em que o portfólio de instalações aumenta, a gestão desse serviço passa a ser cada vez mais complexa e custosa. Para analisar a atratividade do investimento em um sistema de energia solar fotovoltaica, não basta apenas considerar o custo de execução da obra e dos equipamentos. É importante levar em conta o custo da operação e manutenção (OPEX) ao longo de toda a vida útil do sistema e a capacidade de geração de energia para a análise do investimento. Essa metodologia dá uma visão mais ampla do valor do kWh gerado pelo sistema solar fotovoltaico. Mas você sabe o que considerar para o cálculo do custo de operação e manutenção de um sistema fotovoltaico? Embora esse custo possa incluir itens que variam de acordo com o que cada empresa oferece aos seus clientes, alguns pontos são fundamentais: Custo de troca do Inversor Custo com monitoramento e análise da performance do sistema (plataforma, h/h...) Custo com deslocamento para visitas locais Custo com equipamentos e ferramentas (drone, câmera infravermelha, traçador de curva I-V, andaimes, EPI’s...) Custo com equipes para visitas de inspeção Custo de planta parada   Quanto custa o monitoramento do sistema fotovoltaico O monitoramento é um item que muitas vezes passa despercebido no cálculo do custo de operação e manutenção. Porém, ele pode, por si só, gerar vários outros custos. Os inversores tradicionais de string oferecem informações limitadas sobre o sistema fotovoltaico, pois o monitoramento é feito ao nível da string ou do sistema. Com isso, caso o sistema esteja com a performance abaixo do esperado, será necessário deslocar um time técnico até o local da instalação para identificar a origem do problema. Além dos custos do deslocamento, isso acarreta custos com equipamentos caros para fazer a detecção de problemas.   Processo de diagnóstico remoto, automático e eficiente: poupando tempo e dinheiro Com a plataforma de monitoramento da SolarEdge, esse processo manual e caro passa a ser automatizado e eficiente. Isso porque a plataforma de monitoramento da SolarEdge disponibiliza informações a nível de módulo. Assim, é possível diagnosticar e até mesmo solucionar problemas sem a necessidade de estar no local da instalação. Isso reduz custos com deslocamento, mão-de-obra e equipamento, além de reduzir o tempo gasto na identificação do problema. A proatividade na resolução de falhas do sistema contribui para o aumento da satisfação o cliente, pois reduz o tempo em que o sistema ficaria inoperante ou com baixa produtividade. Com o mercado solar brasileiro em pleno crescimento, os proprietários dos sistemas fotovoltaicos e os instaladores estão reconhecendo a necessidade de minimizar os riscos e garantir a performance de seus sistemas ao longo de sua vida útil de 20 anos ou mais. Com a amplitude de recursos oferecidos, a plataforma de monitoramento da SolarEdge tem o potencial de se tornar uma solução eficiente do problema e um componente indispensável para investimentos fotovoltaicos de longo prazo lucrativos no Brasil. E aí? Descobriu qual seu gasto com OPEX? Já sabe quanto o monitoramento dos sistemas fotovoltaicos está te custando?    Saiba mais Quer saber mais sobre as funcionalidades da plataforma de monitoramento? Clique aqui para assistir o webinário gravado sobre a plataforma de monitoramento da SolarEdge e descubra como você pode poupar tempo e dinheiro com um sistema de monitoramento inteligente a nível de módulo.
Leia mais